Foi assassinado Shinzo Abe, o ex-primeiro-ministro do Japão

 Discurso do Primeiro Ministro do Japão sobre o levantamento do Estado de Emergência

O mundo acordou hoje com a notícia da morte de Shinzo Abe, o ex-primeiro-ministro do Japão, que aos 67 anos foi assassinado com um tiro enquanto discursava na cidade de Nara dois dias antes de uma eleição nacional. Ele foi declarado morto às 17h03 (hora do Japão).

Quando ele estava a falar à frente à Estação Yamato-Saidaiji da Kintetsu Railway, foi atacado por um homem de 41 anos por trás, caindo no chão depois de serem ouvidos dois tiros. Ele foi levado para o hospital onde foi declarado morto.

Um médico do Hospital Universitário Médico de Nara disse numa entrevista coletiva que Abe sofreu uma ferida profunda o suficiente para atingir o seu coração, acrescentando que a causa da morte acredita-se ser perda de sangue.

Tetsuya Yamagami, morador de Nara, foi preso no local por suspeita de tentativa de homicídio. Ele era ex-membro da Força de Autodefesa Marítima.

Yamagami afirmou:

Eu estava insatisfeito com Abe e queria matá-lo, mas não era rancor contra as suas crenças políticas.

De acordo com a agência de gerenciamento de desastres, Abe, que foi primeiro-ministro até 2020, foi ferido e estava a sangrar no lado direito do pescoço, com um sangramento interno confirmado no lado esquerdo do peito.

Depois de regressar ao seu escritório em Tóquio de helicóptero da prefeitura de Yamagata, onde estava em campanha, o primeiro-ministro Fumio Kishida condenou o assassinato do ex-líder “nos termos mais fortes possíveis”, dizendo que um ato tão bárbaro nunca deve ser tolerado.

Abe, que também era o líder de longa data do Partido Liberal Democrata, estava na cidade para apoiar um candidato na eleição da Câmara dos Conselheiros de domingo e havia uma multidão de pessoas a ouvir o seu discurso perto da estação ferroviária quando o ataque ocorreu.

Este é um caso raro de tiroteio no Japão, um país que tem regulamentações rígidas sobre armas.

Nascido numa família política proeminente, Abe serviu como secretário do seu pai, o ex-ministro das Relações Exteriores Shintaro Abe, antes de ser eleito para a Câmara dos Deputados em 1993.

Ele teve um curto período como primeiro-ministro entre 2006 e 2007, antes de assumir o cargo novamente em 2012. Ele renunciou devido a problemas de saúde após quase oito anos.

Durante o seu segundo mandato como líder, ele seguiu políticas económicas apelidadas de “Abenomics“, marcadas por flexibilização monetária maciça, estímulo fiscal e reformas estruturais destinadas a combater a deflação e reverter a estagnada economia do país.

Abe fez esforços para reforçar a aliança de segurança do Japão com os Estados Unidos e aumentar o perfil do Japão no exterior, enquanto queria promover a reforma da Constituição pacifista do Japão elaborada pelos EUA.

Em 2014, o governo de Abe avançou com uma reinterpretação da Constituição para permitir o uso da autodefesa coletiva – defendendo aliados mesmo sem um ataque ao próprio Japão – e ampliou o papel das Forças de Autodefesa sob a nova legislação de segurança em 2016.

Shintaro Abe às vezes atraiu a ira dos vizinhos asiáticos do Japão por questões de guerra. Em dezembro de 2013, Abe visitou o santuário de Yasukuni, em Tóquio, visto como um símbolo do militarismo passado do Japão, provocando uma forte resposta, especialmente da China e da Coreia do Sul.

Postar um comentário

0 Comentários